Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As árvores não são pessoas II

por Nuno Saraiva, em 03.03.11

No blog Rio das Maçãs, Pedro Macieira discordou totalmente do que havia aqui escrito.

 

O que merece de minha parte alguns esclarecimentos.

 

1.  Quando refiro que as associações têm por norma posições extremistas, não me refiro a todas, pois algumas não conheço, nem me refiro a posições violentas (i), mas sim no sentido das posições inflexíveis que assumem. Se por vezes entendo algumas preocupações da Quercus e idênticas, discordo, permanentemente do seu modus operandi.

 

2.  Quando dizia que sempre vivi com os plátanos não pretendia valorar a minha opinião em relação a outras, apenas demonstrar que gostava do ambiente fresco que os plátanos proporcionavam e que faziam parte da minha juventude.

 

3.  Para mim acidentes rodoviários, não são argumento. Nem contra nem a favor. A culpa é só das pessoas e eventualmente das estradas.

 

4. Houve muitas pessoas que assinaram a petição, nas quais eu me incluo, não porque esta fosse contra o abate e poda dos plátanos, mas porque pedia esclarecimentos sobre todo o processo. Passo a transcresver os pontos da petição.

 

1. As árvores da vila de Sintra são diferentes ou obedecem a regras diversas das árvores existentes noutras localidades do concelho?
2. Qual a competência técnicas das equipas que procedem ao abate e podas das árvores?
3. A que entidade pertencem estas equipas de abate e poda?
4. O que justifica a poda radical das árvores?
5. Que destino tem a madeira resultante de tais podas e abates?
6. Quais são os planos para os espaços ajardinados acima citados onde existiam árvores?
7. Quais são os planos para plantação de árvores nos locais acima descritos?
 

 Em suma, os autores da petição não têm agora o direito de assumir que as pessoas que a assinaram são contra o abate e poda das árvores.

 

 

 

Nuno Saraiva

 

 

 

 

(i) Apesar de me vir à memória umas plantações de milho destruídas...



publicado às 22:41

Raio verde em Colares

por Nuno Saraiva, em 27.02.11

Excelentes as fotos capturadas por Pedro Macieira colocadas ontem no Rio das Maçãs.

 

Raio verde em Colares

 

Raio verde em Colares

publicado às 21:33

Colares e a Imprensa

por Nuno Saraiva, em 19.10.09

No Rio das Maçãs:

 

 

Ainda no Rio das Maçãs:

 

 

 

 

 

Grande contributo, Pedro Macieira!

 


No estupefacto:

 

A 25 de Setembro de 1974, Artur Agostinho é preso quando estava de férias em Colares

(...) Acabei por ser preso no dia 25 de Setembro de 1974 por causa de uma denúncia falsa que fizeram contra mim. Inventaram que eu ia vestido de padre dentro de um carro funerário, com um caixão cheio de metralhadoras. Uma história rocambolesca, mas vieram deter-me de madrugada quando eu estava de férias em Colares, a tratar das minhas intentonas revolucionárias, que consistiam em ter um soninho porreiro.(...)
Notícia toda: http://www.correiomanha.pt

Eram outros tempos. Época de excessos, de parte a parte, com muitas «caças às bruxas».

De referir que Artur Agostinho sofreu um episódio dramático na sua família, com a morte do seu neto e do seu genro, filho de Colares, num acidente de viação.

 

 

publicado às 19:27

A triste linha

por Nuno Saraiva, em 07.07.09

Como era de prever, o eléctrico não vai voltar a circular este Verão. Pelo menos essa é a convicção do Diário de Notícias: Mais um Verão sem eléctrico até à Praia das Maçãs.

 

Este natural da Praia das Maçãs não tem dúvidas de que o eléctrico não regressará tão cedo. "Só se estiverem um Inverno inteiro a trabalhar nisso é que o conseguem abrir antes do próximo Verão", acredita. O DN falou com três vereadores mas nenhum soube explicar em que fase se encontra a empreitada de reparação da linha. Fonte do gabinete da presidência assegura que as obras terão início na próxima semana.

 

Bom, o texto do artigo não permite concluir se é verdade ou qual a fonte do que diz no título, mas adivinha-se verdadeiro.

 

Tenho lido muito sobre o eléctrico, pela blogosfera. Na minha opinião, o eléctrico ainda vai dar muito que falar, pois, se uma empresa não conseguiu tirar rentabilidade da exploração do eléctrico, dificilmente a Câmara o fará, e assim, terá de fazer parte do Orçamento de despesa da Câmara Municipal de Sintra.

 

Para fazer parte da despesa, resta pensar onde vai Fernando Seara deixar de gastar. (Ao contrário do que quem normalmente critica parece pensar, a Câmara não tem uma máquina de fazer notas).

 

Deve a Câmara cortar na habitação social? Na manutenção das estradas? Centros de Saúde? Apoio à GNR? Acabar com a CECD? Cortar no apoio à cultura?

 

É mais difícil do que parece. É tão fácil falar, de fora.

 

Eu próprio, tinha exagerado o assunto, mas expondo este problema em Fevereiro: Que se levantem as linhas... com oportuno comentário de Pedro Macieira.

 

Pedro Macieira, que voltou hoje a falar no assunto, baseado na afirmação do Diário de Notícias, a tal de fonte paupérrima.

 

No Sintra do Avesso, João Cachado, escreve:


Há poucos dias, tentando ajudar um casal de alemães que pretendia ir de eléctrico até Colares – algo que lhes tinham dito ser possível – dirigi-me à Casa do Eléctrico. Infelizmente, conforme estava prevendo, ninguém soube esclarecer quanto à razão de apenas se chegar à Ribeira e, muito menos, quando seria reposta a normalidade.

 

À partida, incompetência da empregada. Corrigida para o DN, onde informaram "O mais certo é continuarmos com o horário reduzido, porque o resto da linha ainda não oferece garantias de segurança".

 

 

publicado às 21:41

Colares em 1900

por Nuno Saraiva, em 08.03.09

 

 

 

 

 

Estas são as imagens da revista Brasil-Portugal em 1900, disponibilizadas no Rio das Maçãs.

 

Impossível não reparar na referência a Colarejas no ponto 4 da legenda.

 

Não me parece que as senhoras fossem vendedoras da praça, e a palavra veio publicada numa revista. Não era por isso uma questão apenas oral para definir a fruteiras, como defende João Rodil.

publicado às 22:00

Por-do-sol

por Nuno Saraiva, em 30.03.08
Tem-me faltado tempo para chegar a tudo... Neste Domingo em que a hora mudou, deixo aqui uma foto fantástica tirada em Colares pelo Pedro Macieira.

publicado às 12:40

Imagens de Colares

por Nuno Saraiva, em 10.02.08




Por Pedro Macieira

publicado às 11:52

O "museu" da vinha e do vinho.

por Nuno Saraiva, em 25.01.08

Este é um tema que domina a actualidade da freguesia, que não podia deixar de passar aqui por este blog.

Como se pode reparar no post em que divulgava a inauguração do dito museu na Adega Viúva Gomes, escrevi:

O projecto para o museu da vinha e do vinho continua de pé. A partir do dia 19 de Janeiro estará exposto na Adega Viúva Gomes, em Almoçageme, mesmo em frente ao coreto. Para assinalar o facto, a Orquestra Regional de Colares, dará um concerto por volta das 16.00.

Insisti na palavra projecto.

A designação museu para a apresentação do curto espólio apresentado é um pouco pretensiosa. Exposição de espólio do futuro museu, seria mais claro, menos polémico, e principalmente mais correcto.

O projecto tem valor. O vinho de Colares merece um museu. As técnicas de cultivo em areia merecem ser mantidas. Para que o passado da região possa ser recordado.

Agora não se pode é "dar um passo maior do que a perna". Entendo a necessidade de divulgação do projecto. É muito difícil criar uma associação e garantir a sua continuidade, e adesão neste mundo moderno em que erradamente temos tendência para nos isolar, caíndo um pouco o associativismo. Mas querer mostrar uma coisa que ainda não é, é um caminho errado.

Este post de Pedro Macieira no Rio das Maçãs, é essencial para perceber o que sente o cidadão comum, perante estas situações. É quase inacreditável esta repetição de erros passados.

Também no Notícias da Freguesia surgiram vozes de desagrado no post que informava da abertura deste "museu". (O que aliás tinha acontecido em larga escala, quando foi a inauguração do mesmo museu nas Azenhas).

Desejo todo o sucesso a este projecto, que não fará sentido sem a cooperação de todos os produtores significativos, e principalmente da Adega Regional de Colares.

Como para todas as outras associações e pessoas, este blog está à disposição para publicar qualquer comunicado, evento (não comercial) ou opinião (relacionada com Colares ou com influência na vida da terra).

publicado às 17:15

COLARTES (foto)

por Nuno Saraiva, em 27.08.07




Excelente momento. (Recorte de foto publicada no Rio das Maçãs )

publicado às 18:46

Rio das Maçãs - Primeiro Aniversário

por Nuno Saraiva, em 10.06.07


O Rio das Maçãs já fez um ano. O tempo passa mesmo a correr.

Quando Pedro Macieira começou o seu blog,começou logo com um ritmo invejável. Posts todos os dias, cheios de conteúdo, num ritmo invejável. Confesso que na altura pensei que não fosse durar muito assim.

Colares, apesar de ser rico em história e cultura, não tem "acontecimento" para acompanhar este ritmo.

Mas o Rio das Maçãs, encontrou-o.

À excepção dos conteúdos políticos, O Rio das Maçãs é, dos blogs que conheço, um dos que tem o conteúdo mais interessante, sempre suportado por uma profunda pesquisa.

Os meus parabéns ao Rio das Maçãs. O vídeo está muito bonito.

publicado às 12:48


Mais sobre mim

foto do autor






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D