Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Colares e a Imprensa

por Nuno Saraiva, em 03.08.14

 

Colares, a teoria de Darwin aplicada ao vinho

 

Por Pedro Garcias

02.08.2014

Colares produz os vinhos mais caros do país, mas a região é tão pequena e tão difícil que cada garrafa de Malvasia ou de Ramisco ganha foros de raridade. As poucas que se produzem podem durar décadas. É a lei dos mais fortes.

Colares foi uma das regiões vitivinícolas que mais cresceram em Portugal nos últimos anos. A área de vinha passou de mais ou menos oito hectares para 12 a 15 hectares! Não é uma brincadeira. Existir ainda vinha em Colares é, por si só, algo admirável, porque estamos a falar de um lugar sujeito a enorme especulação imobiliária e onde fazer viticultura é tarefa de titãs. 

Resistir à fúria dos ventos marítimos e ao poder corrosivo das partículas de sal e extrair vinho da areia é uma heróica teimosia que perdura desde a chegada dos árabes a Sintra. Heróica porque, além de terem de lutar contra os elementos, os viticultores têm que suportar elevados custos de plantação e manutenção para obterem produções inferiores a duas toneladas por hectare. O primeiro grande desafio começa com a plantação. Esta exige que, numa primeira fase, seja retirada a areia até ser encontrado, a vários metros de profundidade, o solo argiloso, onde as varas são “unhadas” (entaladas na argila para enraizarem). As videiras crescem horizontalmente, coladas ao chão, num rendilhado de madeira, e são protegidas da influência marítima através de paliçadas de cana seca e muros de pedra solta. É muito trabalho para tão pouco vinho.

A zona demarcada de Colares compreende a praia da Adraga, parte de Almoçageme e Colares, Mucifal, Banzão, Rodizio, Azenhas do Mar, Fontanelas, Magoito, Casal de Pianos e praia da Samarra. Toda esta área foi um dia tomada pelo mar e com o recuo das águas marítimas sobraram terrenos cobertos de areia. Os vinhos de Colares, provavelmente sucedâneos dos vinhos da Azóia (Cabo da Roca), famosos em toda a Europa na Idade Média, devem a sua notoriedade e existência à casta tinta Ramisco, que terá sido introduzida na região no século XIII por ordem do rei D. Afonso III, talvez trazida de França.

É uma casta que origina vinhos de baixo teor alcoólico, com alguma complexidade aromática e bastantes taninos, cuja adstringência se vai esbatendo com o estágio em madeira e em garrafa. Para diminuir a sua agressividade, o regulamento da Região Demarcada de Colares permite a incorporação de 20% de outras castas da zona, de preferência Molar e João Santarém. Nos vinhos brancos, a casta principal é a Malvasia de Colares.

Cresceu graças à filoxera 

O apogeu desta região começou a desenhar-se com a chegada a Portugal da filoxera, o insecto que, ao atacar a raízes das videiras, dizimou grande parte dos vinhedos do país. Antes mesmo de a praga ter sido controlada com a importação de porta-enxertos americanos, imunes ao insecto, verificou-se que as castas instaladas em chão de areia resistiam à filoxera, o que levou ao incremento da viticultura em Colares.

No início do século passado, quando o rei D. Manuel II concedeu a Colares o estatuto de região demarcada (1908), a área plantada de Ramisco rondava os dois mil hectares. Hoje, só restam os tais 12 a 15 hectares (os valores variam consoante se conte ou não toda a área afecta à vinha, como os muros de pedra). A produção anual é pouco superior aos 20 mil litros e está concentrada em quatro produtores: Adegas Beira Mar, Adega Regional de Colares, Adega Viúva Gomes e Fundação Oriente. O engarrafador oficial é a Adega Regional de Colares, que fornece a maioria do vinho. 

É tudo feito numa escala liliputiana, mas basta provar os vinhos para percebermos a grandeza e singularidade de Colares. É um caso único no universo vitivinícola nacional. Os vinhos de Colares – que Eça de Queirós considerava “os mais franceses” do reino – são raros e inconfundíveis. Aos brancos, salgados e de acidez viva, não há enófilo que fique indiferente. Os melhores são mesmo extraordinários. 

Aos tintos, menos consensuais, é necessário dar-lhes tempo e ter gosto por vinhos pouco alcoólicos, frescos e bastante tânicos, sobretudo em novos. Provar um Ramisco com quatro ou cinco anos é capaz de causar algum desconforto, mas beber um Ramisco bem apurado pelo tempo, com algumas décadas, pode ser uma experiência exaltante e inesquecível. O Viúva Gomes 1934, por exemplo. No nariz, já não mostra muito: alguma especiaria, uma ou outra nota mais química. Porém, na boca ainda revela garra tânica, frescura e subtilezas que só o cinzel do tempo pode criar. Não há muitos vinhos tintos tranquilos no mundo que consigam aguentar-se assim, vivos e inteiros, durante tantos anos. Colares resiste porque os seus vinhos resistem. É a teoria de Darwin aplicado ao vinho.

DEZ VINHOS, UMA REGIÃO

Em dez vinhos e menos de uma hora prova-se toda a região de Colares (não todas as colheitas, claro). Cinco brancos e cinco tintos, com preços que variam entre os 25 e os 30 euros, são o que o consumidor pode encontrar no mercado das colheitas mais recentes. Raridades, portanto.

Os brancos

Casal Sta. Maria Malvasia 2011
Notas de frutos secos, mel, algum tostado da madeira, grande austeridade e secura, acidez pungente, toque salgado delicioso. Um vinho extraordinário.

Fundação Oriente 2012
Um belo branco da Fundação Oriente, a entidade que mais tem investido na recuperação das vinhas de chão de areia de Colares. Nesta fase, lembra um fino de Xerês, seco, salgado e vivo, mas não tão vivo e fresco como o Casal Sta. Maria, por
exemplo.

Viúva Gomes 2011
Um grande vinho com um rótulo lindíssimo. Um verdadeiro ícone de Colares. Passou seis meses em barrica de madeira exótica. Possui uma acidez fantástica e
tudo o resto que caracteriza os brancos da região: nervo, toque salgado, mineralidade, corpo enxuto e austero.

Arenae Malvasia 2011 
Branco da Adega Regional de Colares cujo vinho base está na origem da quase totalidade dos brancos da região (o que muda de casa para casa é o tipo de estágio que é dado ao vinho). É magnífico, embora não cause tanto impacto como Casal Sta.
Maria ou o Viúva Gomes.

Monte Cascas Malvasia 2011
Um Colares original criado pela empresa Casca Wines a partir de uvas compradas a pequenos produtores. As uvas são prensadas suavemente e sujeitas a um processo de hiperoxigenação controlada. O mosto decanta a frio e fermenta depois totalmente em barricas usadas de carvalho francês, a que se seguem 11 meses de batonnage. O método contraria a tradição local e o vinho também foge um pouco do perfil da região, apesar da sua soberba acidez e textura salgada. Tem mais ou menos o mesmo volume alcoólico dos outros (11,5%), mas é mais gordo e estruturado. Possui potencial para durar muitos anos. Custa 35 euros, mas vale-os bem.

Os tintos

Arenae Ramisco 2006
O vinho base deste Arenae alimenta todos os engarrafadores da região. Feito pelo processo clássico de curtimenta, com desengace de 70% das uvas, fermenta primeiro em cubas de inox e estagia depois em grandes tonéis, numa primeira fase, e em barricas mais pequenas, numa fase posterior. O aroma está pouco efusivo (tem as notas típicas de ginja, resina de cedro e algum iodo) e o que marca a prova ainda é a agressividade dos taninos, a par de uma acidez volátil alta, também típica dos tintos de Colares (dizem que a volátil do Ramisco já nasce com as uvas). Com o tempo, os tintos de Ramisco tendem a refinar e a ganhar um bouquet mais rico, ao mesmo tempo que vão ficando mais elegantes e suaves.

Colares Chitas 2006
Tinto de Ramisco (90%) feito a partir do vinho base da Adega Regional de Colares ao qual o produtor Paulo da Silva junta um pouco de vinho próprio das castas Molar e Parreira Matias. Além de diferenciarem o vinho, estas duas castas amaciam um
pouco os taninos do Ramisco e ajudam a antecipar o seu consumo. Já se pode beber sem fazer cara feia.

Casal de Sta. Maria Ramisco 2006
Vinho da Adega de Colares com fermentação e estágio diferentes. Está mais complexo, tanto no nariz como na boca. Termina cheio de garra e de frescura. Promete.

Viúva Gomes 2006
Está na linha do Arenae, de que descende, embora apresente uma fruta mais viva e cintilante.

Fundação Oriente Ramisco 2009 
Provém de uvas próprias e é o mais novo, o mais maduro, o mais ácido, o mais macio, o mais moderno e o mais apetecível de todos nesta fase.

Artigo hoje, no suplemento Fugas do Público. Disponibilizado aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16

 

A jornaleira mais simpática de Sintra mudou de casa. Continua na sublime praia Grande, mas agora está numa casa a sério, ao pé do esplêndido Hotel das Arribas, onde uma bela esplanada, sem preços de hotel mas com qualidade de grande hotel, nos convida a ler demoradamente.

A Dona Ju tem tudo e sabe tudo. Sabe onde tomar banho e quando e onde há estacionamento. Um exemplo: comprei lá o Volume II do delicioso 100 Ideias que Mudaram o Design Gráfico do PÚBLICO e desesperei: tinha-me esquecido de comprar o Volume I. Mal comecei a chorar, já a Dona Ju estava a entregar-me o livro.

Dantes a loja era uma cabana bonita mesmo em frente ao mar, ao lado do Angra, o primeiro dos restaurantes da praia Grande, com esplanada no rés-do-chão e no primeiro andar. Os donos, dois irmãos chamados Chico e Vítor, sabem tudo sobre a praia Grande e o mar da praia Grande. São sábios e generosos com os conselhos.

Quando fui à praia Grande, fiquei furioso por descobrir uma loja de jornais ao pé do Hotel das Arribas. Estando mais perto do que a cabana da Dona Ju, estava a roubar-lhe a clientela. Segui caminho, determinado a comprar os jornais na loja certa, que está lá todo o ano, haja frio, chuva, nevoeiro ou bom tempo.

Na cabana estava um papel a dizer que se tinha mudado para perto do Hotel das Arribas. Ainda bem. Estava num lugar vulnerável às enxurradas. Agora está mais segura. Continua a ser o lugar mais bonito para comprar jornais que conheço. Na praia.

 

O MEC é que sabe como é.

 

Já agora fica a informação que antes ainda, era um quiosque muito pequeno, em frente ao sítio onde os autocarros dão a volta..

 

(Foto de A mulher é que Manda)

 

Texto no Público, 24/04/2014

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:11

Uma coisa é certa. A oferta de camas para potenciais visitantes à zona de Colares é diminuta.

 

Quercus, PNSC, Reserva Ecológica Nacional, do Plano de Ordenamento da Orla Costeira, e outros indivíduos e outros malucos nunca se entendem e o desenvolvimento da Freguesia de Colares é sempre amputado.

 

Preferem ver as Azenhas a degradar-se, as praias a degradar-se? As nossas localidades a ficar desertas, à noite por não haver casas, de dia por não haver empregos.

 

Um projecto deste tipo era verdadeiramente estruturante, importante, vital - nem há adjectivos - era o melhor que podia acontecer à região.

 

Claro que, tal como previsto, deve ser enquadrado na região, em pleno acordo com o Parque e Ministério do Ambiente.

 

No Público de hoje, vem a notícia que movimento cívico estuda acção judicial para boicotar o projecto.

 

Se este movimento cívico, fosse um grupo de pessoas da região, eu até entendia, e apesar de opinião adversa, encarava-o com naturalidade. Mas, na realidade, este movimento é vem de Associações tipo Quercus.

 

Podem por favor deixar COLARES CRESCER, e ir brincar às gaivotas para Lisboa?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:32

Colares e a Imprensa

por Nuno Saraiva, em 19.08.07
Colares em destaque devido ao caso do desaparecimento duma pessoa de 77 anos.

Nota ainda para o facto de anteriormente se falar duma menor de 17 anos.

Uma mulher britânica com 77 anos desapareceu, este sábado, na zona de Colares, em Sintra, informou ao PortugalDiário fonte da GNR.

Inicialmente, a informação dada dava conta que o desaparecimento era de uma menor, com 17 anos, de origem britânica, na zona da Praia das Maçãs, Sintra. No entanto, houve um erro na divulgação da idade.



Na Sic, é referido 67 anos...

Britânica desaparecida em Colares tem 67 anos

Não se trata de uma menor, como a GNR informou por engano A cidadã britânica hoje desaparecida na zona de Colares, Sintra, tem afinal 67 anos, não se tratando de uma menor de 17 anos como divulgou por engano a GRN.
Ao fim da tarde a GNR informou o desaparecimento de uma menor britânica na zona da Praia das Maçãs e que no local decorriam buscas conjuntas com a Polícia Judiciária, com o auxilia de cães pisteiros.

A SIC apurou que se trata de uma idosa britânica, de 67 anos, e que tudo aponta que estamos perante um caso de homicídio.

SIC






GNR corrige idade de cidadã britânica desaparecida na Praia das Maças

A cidadã britânica desaparecida sábado na zona da Praia das Maçãs, Sintra, tem afinal 77 anos, não se tratando de uma menor como anteriormente fora por lapso anunciado, disse à Lusa fonte do Comando Geral da Guarda Nacional Republicana


Segundo o major Costa Lima, das Relações Públicas da GNR, estão a decorrer no local investigações conjuntas com a Polícia Judiciária para encontrar a idosa.


 

RTP






Sintra: Idosa britânica desparecida na zona da Praia das Maçãs

Uma mulher de 77 anos de origem britânica desapareceu este sábado na zona da Praia das Maçãs, Sintra, disse à Agência Lusa fonte do Comando Geral da Guarda Nacional Republicana.

Sem adiantar o local preciso, o porta-voz da corporação, major Costa Lima, confirmou à Agência Lusa que foi comunicado à GNR, o desaparecimento de uma cidadã britânica.


A mesma fonte referiu que a GNR está a empregar meios de busca e salvamento, nomeadamente cães pisteiros.

Costa Lima escusou-se a adiantar mais pormenores, acrescentando que a GNR está a trabalhar em conjunto com a Polícia Judiciária.


 

Diário Digital



Jornal SOL
Público

Edição impressa do Público:



Cidadã britânica desaparece em Sintra19.08.2007
Uma cidadã britânica, de 77 anos, desapareceu ontem na zona da Praia das Maçãs, em Sintra, em circunstâncias ainda desconhecidas pelas autoridades policiais. À hora do fecho desta edição, a GNR e a Polícia Judiciária prosseguiam as buscas, recorrendo a cães pisteiros e outros meios de investigação.
A notícia criou inicialmente algum alarme, dado que a GNR anunciou que se tratava de uma menor britânica, instalando-se logo a ideia que se poderia estar perante um caso semelhante de Madeleine McCann, a menina britânica de quatro anos que desapareceu de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, em Lagos, há quase quatro meses. De resto, algumas estações de televisão fizeram deslocar logo para o local equipas de reportagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:43


Mais sobre mim

foto do autor








Comunique e envie os seus comentários, o que gostou, o que acha que está mal, etc.


Colares, blog da semana!

Muzicons.com





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D