Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





As árvores não são pessoas II

por Nuno Saraiva, em 03.03.11

No blog Rio das Maçãs, Pedro Macieira discordou totalmente do que havia aqui escrito.

 

O que merece de minha parte alguns esclarecimentos.

 

1.  Quando refiro que as associações têm por norma posições extremistas, não me refiro a todas, pois algumas não conheço, nem me refiro a posições violentas (i), mas sim no sentido das posições inflexíveis que assumem. Se por vezes entendo algumas preocupações da Quercus e idênticas, discordo, permanentemente do seu modus operandi.

 

2.  Quando dizia que sempre vivi com os plátanos não pretendia valorar a minha opinião em relação a outras, apenas demonstrar que gostava do ambiente fresco que os plátanos proporcionavam e que faziam parte da minha juventude.

 

3.  Para mim acidentes rodoviários, não são argumento. Nem contra nem a favor. A culpa é só das pessoas e eventualmente das estradas.

 

4. Houve muitas pessoas que assinaram a petição, nas quais eu me incluo, não porque esta fosse contra o abate e poda dos plátanos, mas porque pedia esclarecimentos sobre todo o processo. Passo a transcresver os pontos da petição.

 

1. As árvores da vila de Sintra são diferentes ou obedecem a regras diversas das árvores existentes noutras localidades do concelho?
2. Qual a competência técnicas das equipas que procedem ao abate e podas das árvores?
3. A que entidade pertencem estas equipas de abate e poda?
4. O que justifica a poda radical das árvores?
5. Que destino tem a madeira resultante de tais podas e abates?
6. Quais são os planos para os espaços ajardinados acima citados onde existiam árvores?
7. Quais são os planos para plantação de árvores nos locais acima descritos?
 

 Em suma, os autores da petição não têm agora o direito de assumir que as pessoas que a assinaram são contra o abate e poda das árvores.

 

 

 

Nuno Saraiva

 

 

 

 

(i) Apesar de me vir à memória umas plantações de milho destruídas...



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41


6 comentários

Sem imagem de perfil

De Mar e Mar a 04.03.2011 às 09:59

Concordo consigo.
Sem imagem de perfil

De pedro macieira a 04.03.2011 às 12:25

Nuno Saraiva,
Um primeiro esclarecimento: Na minha resposta não é dito em lado nenhum que as "pessoas que assinaram a petição são contra as podas e os abates".
Isso não tinha nenhum sentido.
A petição pretendia fazer chegar à CMS, a necessidade de tratar as árvores de Sintra com maior respeito, por pessoas com a devida formação.
Agora a minha posição é completamente critica, em relação a podas mal feitas (rolagens), que destroem completamente as árvores, e a abates desnecessários(como por exemplo os dois cenntenários plátanos, em frente à Adega de Colares).
Mas em próximo texto terei oportunidade de responder de forma mais completa.
Pedro Macieira
Imagem de perfil

De Nuno Saraiva a 04.03.2011 às 12:46

Caro Pedro, tem toda a razão.

No entanto entendi esclarecer quem eventualmente não tivesse lido. Não sei se foi num texto seu, duma das associações ou na comunicação social que havia uma petição “contra a poda e o abate das árvores”.

Na realidade a petição, tendo como base o abate desnecessário das árvores, pedia esclarecimentos que a EP deu.
Imagem de perfil

De Nuno Saraiva a 04.03.2011 às 12:48

(Abate e podas desnecessárias/mal feitas)
Sem imagem de perfil

De pedro macieira a 06.03.2011 às 00:06

Uma Árvore... uma Vida
É o lema de uma acção de reflorestação organizada pelo Centro de Recuperação do Lobo Ibérico, com o objectivo de comemorar o Dia Mundial das árvores e Florestas, no próximo dia 20 de Março, às 14H00 na Malveira.

“Uma Árvore...uma Vida” é uma expressão que contraria o conceito subjacente no título “As árvores não são pessoas”que Nuno Saraiva, escolheu para um post, que é dirigido a um texto que aqui publiquei.
A morfologia e a fisiologia das árvores permitem-nos saber que, como as outras plantas, as árvores penetram na terra com as suas raízes para extrair os sais minerais necessários à sua nutrição. Toda a extensão do tronco é percorrida por um duplo sistema condutor, constituido pelo vasos lenhosos ou xilema, que conduzem a água e os sais minerais do solo até aos galhos e folhas; e pelos vasos do liber ou floema, que levam aos demais tecidos a seiva elaborada junto com os açucares fabricados nas folhas. Além disso, as árvores ajudam a diminuir a poluição, porque absorvem o dióxido de carbono resultante da queima de combustíveis, ou seja mais oxigénio para nós, humanos – logo uma árvore...uma vida!

As respostas a alguns pontos do novo texto de Nuno Saraiva

Na minha resposta “É preciso respeitar as Árvores”, como poderá ser verificado em lado nenhum é referido que as mais de 2000 pessoas que assinaram a petição “A favor das Árvores de Sintra “eram contra as podas e os abates”.Isso não teria qualquer sentido.
A petição pretendia fazer chegar à CMS, a necessidade de maior respeito no tratamento das árvores e por pessoas com a devida formação -como aqui já deixei referido.

Quanto aos ambientalistas e os seus extremismos, ao contrário do que NS refere – existem muitas situações em Sintra, em que se fazem sentir as ausências de acções e opiniões das organizações ambientalistas. E se houve algum extremismo ele foi praticado pela toda poderosa Estradas de Portugal, abatendo plátanos centenários sem qualquer justificação.
Em relação ao milho...sei do que fala, mas eu estou a referir-me a plátanos abatidos...em Sintra!

Quanto ao comentário de N.S. de que “gostava do ambiente fresco que os plátanos proporcionavam e que faziam parte da minha juventude”, denota um sentimento de alguma perda - convém ir percebendo porque é que a nossa indiferença por vezes e o olhar para o lado, deixa que aconteçam situações irrecuperáveis.

Numa altura em que o Mundo discute, o futuro do planeta, que os nosso descendentes herdarão essas discussões não passam só por causas, como o perigo de extinção do urso branco, devido ao aquecimento global, que afecta ao seu ecossistema , ou a defesa das Baleias combatendo a sua caça para evitar a sua extinção – mas também pelos os aspectos ambientais mesmo em frente da nossa porta.

Pedro Macieira
Sem imagem de perfil

De pedro macieira a 06.03.2011 às 22:22

Nuno Saraiva,
Uma correcção ao meu já longo comentário anterior:
Onde está:
"escolheu para um post, que é dirigido a um texto que aqui publiquei."
deveria estar:
"escolheu para um post, que é dirigido a um texto que publiquei no Blogue Rio das Maçãs

http://riodasmacas.blogspot.com/2011/03/nao-tenho-com-o-nuno-saraiva.html

Pedro Macieira

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor








Comunique e envie os seus comentários, o que gostou, o que acha que está mal, etc.


Colares, blog da semana!

Muzicons.com





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D