Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Terror em Colares

por Nuno Saraiva, em 29.04.08
'CASTELO DE CARTAS' - dia 30 de Abril às 22h, na Adega Viúva Gomes, em Almoçageme (ao lado dos Bombeiros).





Sinopse

Raquel acorda sobressaltada. Está amordaçada e amarrada a uma cama.
Não reconhece o local onde se encontra, o quarto é escuro, o ambiente é fétido e carregado de terror.
A situação torna-se ainda mais aflitiva quando Raquel se apercebe de que não se lembra de si mesma, está completamente desmemoriada.
No entanto a vítima não se encontra sozinha. Entre as paredes sujas do quarto, impregnadas de loucura, existe uma presença sinistra que a vai conduzir para dentro de um abismo vertiginoso.
'Castelo de Cartas' é uma viagem num carrossel fantasma às profundezas obscuras da mente humana.
Uma experiência de pânico e terror psicológico de um realismo arrepiante.

Classificação: M/18




Contactos e Informações



21 421 31 88 / 210501837 /96 637 71 72



Reservas: 96 637 71 72


Ficha técnica e artística

Produção

REFLEXO - Associação Teatral e Cultural

Autoria e Encenação

Michel Simeão

Produção Executiva

Ana Custódio

Assistente de Produção

Mónica Pedroto

Adereços e Cenografia

Mónica Pedroto

Design Gráfico

João Simões – Kontrast

Luz

Michel Simeão

Som

Rui Santos

Vídeo

Mafalda Norte

ELENCO
Lavínia Roseiro e Marta Osiecka

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:43

Colares e a Publicidade

por Nuno Saraiva, em 27.04.08
Esta semana vai ser gravado em Colares, no Largo da igreja, parte do novo anúncio da cerveja Heineken, que passará antes e depois de todas as emissões da Liga dos Campeões 2008/2009.

Um coro de 30 pessoas virá cantar o hino da Liga dos Campeões.

Uma bela música, ninguém diria que foi feita de propósito para este evento desportivo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:55

Casas da zona

por Nuno Saraiva, em 25.04.08
_DSC1880
Casa de Manuel Graça Dias, no alto do Penedo

_DSC1879

Casa de autor (para mim) desconhecido, no alto do Penedo. Julgo que é a casa que Mário Laginha referiu numa entrevista como sendo sua. É uma marca de arquitectura moderna na velha aldeia do Penedo. Acho-a bastante interessante, mas (como é frequente) encontro-lhe alguns erros do ponto de vista energético.


_DSC1877

Uma cópia do projecto de Souto Moura junto ao farol da Guia. Esta encontra-se no Banzão e ignoro quem seja o autor.
Gosto sobretudo da secção que se ergue sobre pilotis e talvez gostasse ainda mais se a secção da garagem fosse menor. Acho-a demasiado parecida com a do Souto Moura e também com a do Valsassina, bem perto desta. Arriscaria mais uma autoria de Valsassina, já que Souto Moura agora já não usa esta linguagem. Acho discutivel o facto de ter o interior todo em aço e pladur (sem inercia térmica) e os vãos de vidro do chão ao tecto, sem qualquer respiração ou escape de calor. Estando virada praticamente a poente, eu teria colocado estores de lâminas no exterior destes grandes vãos para evitar os ganhos solares excessivos. Ainda assim, uma casa muito interessante.

Um post de Zé Maria, transcrito na íntegra. (link do post)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06

Colares e o Flickr

por Nuno Saraiva, em 19.04.08


Mais uma foto das Azenhas do Mar no Flickr. Desta feita no album do Phil

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:25

Concertos nos Bombeiros

por Nuno Saraiva, em 17.04.08
Mais uma vez os Bombeiros Voluntários de Colares vão organizar concertos mensais, à partida no primeiro Sábado de cada mês.

Para começar a temporada, a Banda vai dar um concerto dia 3 de Maio, às 21.30 ou  às 22.00, não sei bem.

(Hoje choveu em Colares - e talvez no país como há muito tempo não chovia. Acho que amanhã o trânsito em Lisboa vai ser caótico)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:51

Colares e as tradições. A malfadada ASAE

por Nuno Saraiva, em 11.04.08
Quem não se lembra daquele jogo que se espetava um lápis num círculo de papel, e caía cá em baixo uma bolinha. As vermelhas era um chocolates beras, as azuis um bom chocolate, e a preta e a branca eram coisas melhores?

Deve fazer parte do imaginário de todos os que nasceram antes de 70 e dos que viviam em pequenas aldeias e vilas, nascidos até 80.

Quem também se lembra, é Pedro Rolo Duarte:

No café da Dona Luísa, o “Café do Pinto”, no Penedo, de onde saía a deslumbrante “Galinha Corada”, eu apreciava mais três coisas: os matraquilhos, dispostos cá fora, estrategicamente, sob uma videira de “uva morangueira”; o televisor a preto e branco que mantinha a comunidade concentrada na imagem (permitindo-nos a nós, miudagem, o descarado roubo de pastilhas “Pirata” de um frasco adormecido sobre o balcão); e o pequeno terreiro das traseiras, onde se jogava “chinquilho” (não sei se assim se escreve, mas era assim que os mais velhos diziam chamar-se o “jogo da malha”).
Lembro-me perfeitamente do dia em que o Sr. Abílio, marido da Dona Luísa, me exibiu (lisboeta no Penedo, à época, era mais ou menos como artista dos “Morangos” nos dias de hoje...), a novidade daquele Verão (salvo erro) de 1972: um painel cheio de círculos pintados e um lápis agarrado a uma corda. Por um escudo, ou dois, perfurávamos um círculo daquele painel. Ao fazê-lo, libertávamos uma espécie de berlinde colorido. Consoante a sua cor, assim “ganhávamos” um chocolate desta ou daquela qualidade, ou se acaso nos “calhasse” uma das bolas raras, a preta e a branca, seríamos bafejados pela sorte de uma bola de futebol ou de um canivete. Um jogo divertidíssimo para todas as crianças da aldeia, a sensação daquele ano. Foi uma animação quando chegou ao Penedo...
... Trinta e tal anos depois, leio no “Público” que o “novo alvo da ASAE” são as “máquinas de chocolates”, sucedâneos desta minha velha diversão, com o superior argumento de que o cliente tem de perceber “a que teria direito antes de introduzir as moedas”...
À escala mínima das histórias que conto, eu era mais livre naquele tempo. O mundo parecia demasiado grande para a minha escassa dimensão – mas hoje, sendo bem mais diminuto, parece ridiculamente menos livre. Não me agrada o paradoxo, justamente pelo absurdo que encerra. Hoje é o jogo da sorte/azar no chocolate, o que será amanhã?


No seu blog.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:51

Colares e a blogosfera

por Nuno Saraiva, em 10.04.08
Do Guincho ao Cabo da Roca

Depois destes 12 Km tenho as pernas feitas num 8… Tenho que começar a fazer mais destes passeios para “Desengordar” a cintura…





Uma foto e comentário de David Rodrigues.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:50

Férias

por Nuno Saraiva, em 09.04.08
A Galeria de Arte de Colares, encontra.se fechada para férias de 04 de Abril a 04 de Maio.

Depois das férias vamos ver que novidades trará.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16

Comentário recebido - Isabel Magalhães

por Nuno Saraiva, em 06.04.08
Não foi a música que me trouxe aqui. Foi Colares. E também foi o facto de me ter "encontrado" no seu post de Terça-feira, 12 de Setembro de 2006, "Colares e a arte" durante uma busca Google ".
Se calhar isto não interessa nada mas tenho Colares no Coração por laços de família e por ser o local das férias, desde a infância, repartidas com a Ericeira.
E, já agora, a tela que escolheu para o seu post foi pintada para a exposição individual com que inaugurei a Galeria Casa Santa Rita, em Colares, no ano de 1999.

O MUNDO é pequeno! :)

Deixo um abraço.

I.

 Isabel Magalhães

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:30

Música

por Nuno Saraiva, em 05.04.08
Ontem, quando dizia que não me apetecia ir ao ensaio da banda, estava a sofrer.

A mudança é o melhor que nos pode acontecer, mas claro, começa com sofrimento.

Executar música é um meio incrível de descansar o cérebro, dando-lhe concentração. É importantíssimo para harmonizar o funcionamento de todas as partes do cérebro. Ir ao ensaio ontem foi o regresso à vida normal, depois duma despedida de largas dezenas de pessoas. Now, I´m Happy (IT´s a new life)

Pode parecer exagero, mas saber música é essencial para ter boas capacidades de raciocínio.

Não é à toa que os grandes cientistas e filosófos do passado sabiam mesmo muito de música.

Galileu Galilei era filho de um músico e sabia muito de música. Leonardo da Vinci, sabia tudo, e claro sabia música. Aliás não eram só mensagens subliminares acerca de religião. Da Vinci escrevia música, e na última ceia, deixou um "hino a Deus" de 40 segundos. (Fonte)

Sócrates, Nietzsche, e muitos outros que fizeram a Humanidade aprendiam música na  infância.

O que é que está à espera?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:13

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor








Comunique e envie os seus comentários, o que gostou, o que acha que está mal, etc.


Colares, blog da semana!

Muzicons.com





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds