Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Quando as crianças brincam

por Nuno Saraiva, em 31.12.07



Quando as crianças brincam
E eu as oiço brincar,
Qualquer coisa em minha alma
Começa a se alegrar.

E toda aquela infância
Que não tive me vem,
Numa onda de alegria
Que não foi de ninguém.

Se quem fui é enigma,
E quem serei visão,
Quem sou ao menos sinta
Isto no coração.

                                                     5-9-1933

Fernando Pessoa


Qual é a criança que não acha que a melhor parte dos casamentos é quando se pode brincar com as outras e sujar a roupa toda?

Foto: Casamento na Adega Regional de Colares por João Colaço sob licença CC

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45

O retrato do Penedo

por Nuno Saraiva, em 30.12.07



Foto de Helen Ojha sob licença CC

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:23

Bom Ano

por Nuno Saraiva, em 29.12.07
Feliz 2008.

Na primeira quinzena, devido a trabalho, a quantidade de posts será irregular.

A outra Colares, do Brasil, tem um caso posto em DVD.(O Roswell brasileiro)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:31

Natal em Colares

por Nuno Saraiva, em 23.12.07





O meu Natal tem uma história banal. A rima é despropositada, mas não vou alterar a frase: o meu Natal tem uma história banal. Numa família com escassas ligações à religião – ou que se calhar se escondem por detrás das aparências pragmáticas, e nunca as consigo ver -, o Natal é a ocasião e a oportunidade para compensarmos as ausências, para actualizarmos as referências e os olhares, e termos um bocadinho de tempo para estarmos uns com os outros, e todos em simultâneo.
Na casa de bonecas que era o Penedo, com o meu pai à volta da lareira e eu a enfrentar o frio de Dezembro de bicicleta em riste; na casa do Campo Grande, onde os presentes se escondiam nos armários para os embrulhos não serem “violados” por mim e pela minha irmã; depois, à vez, no Bairro de São Miguel, na Boavista, na Quinta do Lambert, de novo no Campo Grande. O tempo e as condições construíram e desconstruíram natais de todas as cores - mais sentidos, mais interiores, mais festivos. Conforme os anos, conforme os acontecimentos de cada ano. Mas sempre com o mesmo quadro inicial: voltarmos a olhar uns para os outros. Pensarmos uns nos outros e no que cada um gostaria de viver e sentir e ter. Fecharmo-nos sobre o que somos – abrindo-nos entre nós.
É assim que todos os anos “adivinho” o Natal – apesar da história banal, sei que os factos determinam o ambiente. Na nossa família – em todas, presumo -, o Natal cresce quando chega uma criança – como esmorece um bocadinho quando parte alguém. Ninguém resiste à alegria de uma criança quando ajuda a compor a árvore ou o presépio, ou quando rasga desalmadamente um embrulho. Mas não ignoramos, entre os mais velhos, a falta que nos faz quem não está. Nessa medida, o Natal acaba por constituir um momento de confronto e luta – entre o melhor que a quadra tem e a memória que não nos deixa viver tranquilamente com a falta, a ausência, o luto. É um conflito de sentimentos, felizmente sempre vencido pelas crianças, que nos obrigam a renascer todos os dias.
Não consigo, no entanto, deixar de pensar neste conjunto de banalidades sem lhe acrescentar a voz avisada de alguém que aqui há tempos, falando sobre as relações amorosas, me dizia: “cada pessoa que passa pela nossa vida deixa-nos um presente cá dentro. Está embrulhado. Quando menos se espera, desembrulha-se e revela-se. Às vezes é um trauma, outras vezes uma flor. Às vezes acrescenta-nos um ponto, outras vezes retira-nos tudo”. É uma grande verdade com a qual nem sempre contamos. As relações morrem, as pessoas desaparecem da nossa vista, e na aparência tudo fica resolvido e em paz. Mas repentinamente o tal presentinho que nos deixaram dá sinal de vida, desembrulha-se, mostra-se e marca posição. Não há impunidades nem páginas em branco quando se sente. Quando se vive. Lembro-me sempre de uma frase do meu amigo Miguel Esteves Cardoso: “mal por mal, mais vale ser bom”. Quando queremos ser bons e conseguimos, o presente que deixamos nos outros é doce e bom. Mas a vida prega-nos partidas vezes demais.
E não é preciso ser Natal para ver um mau presente dar sinal de vida. Deixando-nos sem norte, ou à procura de outro caminho. No balanço que estas épocas do ano sempre convocam, há presentes indesejados que nos servem de bandeja – e para os quais a única solução, antídoto, medicamento, é mesmo voltar ao começo desta conversa: o Natal pode ter uma história banal. Mas é nessa história, uns anos mais sofrida do que noutros, que está a paz que procuramos todo o ano. Porque voltamos a olhar uns para os outros e, nesse instante de absoluta certeza, os presentes que outros deixaram cá dentro e trazem recheio amargo não conseguem desembrulhar-se. São devolvidos à procedência. E a vida, por instantes, parece feita de novo à nossa medida. À medida da família e dos amigos, que é a massa de que se faz o pão de todos os dias.
 
(Ao sábado, reedições. Texto publicado na Lux Woman, um destes natais passados...)


Um texto de Pedro Rolo Duarte, as suas e as nossas memórias.

Aqui na aldeia (perdão, pequena vila), os tempos de menino eram outros. Frio, havia sempre muito frio. O dia 25 era para disfrutar os brinquedos novos. Na "Rua da Cruz" os meninos iam para a rua. Mostravam-se os brinquedos novos, a camisola nova, as luvas novas.

A determinada altura, a Quinta Mazzioti estava abandonada e a zona exterior desta era palco de brincadeiras. Na quinta "do Michael " jogava-se ao pião. Sim, por vezes a prenda de maior sucesso para alguns era o pião.

E claro, muitas vezes se andava da bicicleta. Sempre que alguém ganhava uma bina, todos experimentavam. Na lama, no frio e no nevoeiro.

Era o Natal.

Foto de JPDF

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:03

Feliz Natal

por Nuno Saraiva, em 22.12.07

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 23:09

Sete mulheres para cada homem

por Nuno Saraiva, em 20.12.07

Há poucas coisas que me façam soltar gargalhadas.

 

Mas até me tenho rido com a polémica que está a assolar o Brasil inteiro, e que nasceu em Colares, a de lá, no Estado do Pará.

 

Trinta anos depois de lá terem estado extraterrestres eis que aparece um pastor evangélico, que prega em Colares, Brasil, a garantir que a Bíblia afirma que cada homem

deve ter sete mulheres.

 

O caso que aquece o Natal no Brasil

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:46

Colares e a Publicidade

por Nuno Saraiva, em 19.12.07

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

 

 

Arenae Ramisco Colares, e o vinho do ano da região de Colares..

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:53

Eficiência

por Nuno Saraiva, em 18.12.07
No cruzamento do largo da igreja puseram finalmente um traço e a palavra STOP pintada no chão, como se alertava aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:40

Aconteceu Natal - Colares e a Blogosfera

por Nuno Saraiva, em 16.12.07
Este é um conto. Este conto trás o tema que mais odeio ver associado a Colares. Final Feliz, fica mais um alerta.

Aconteceu Natal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03

Vergonha

por Nuno Saraiva, em 13.12.07

 

 

 

 

Visto aqui.

 

Links relacionado: rio das maçãs

Correio da Manhã

 

Fotos de Vitalino Cara D'Anjo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor








Comunique e envie os seus comentários, o que gostou, o que acha que está mal, etc.


Colares, blog da semana!

Muzicons.com





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds