Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Os ébrios

por Nuno Saraiva, em 07.01.17

transferir.jpg

 

Se olho em volta de mim, se paro, se contemplo,

Vejo abrir um bordel dentro de cada templo,

São cheios os quartéis, repletas as igrejas.

Os ébrios histriões e as ébrias colarejas

Cantam nas espirais do fundo sorvedoiro.

Cada corpo gentil vale um punhado d'oiro.

 

 

Guerra Junqueiro, A Morte de Dom João, Lello & Irmão, Lisboa,página 31

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:32

15697846_1509304312433078_8126263963342844953_n.jp

 Atendendo a vários pedidos que me têm feito, aqui deixo o discurso que fiz no dia 21 de dezembro de 2016. Foi para mim uma enorme honra discursar perante Sua Excelência o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa; da mesma forma que o seria para a restante audiência se não contassemos com a sua presença.

Exmo Senhor Presidente da República Doutor Marcelo Rebelo de Sousa

Exmo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Sintra, Dr. Basílio Horta

Exmo Senhor Vice-Presidente da Câmara Municipal de Sintra, Dr. Rui Pereira,

Exmos senhores Vereadores da Câmara Municipal de Sintra aqui presentes,

Exmo Senhor Presidente da Junta de Freguesia de Colares, caro amigo Rui Santos,

Exmos representantes das restantes associações da Freguesia,

Exmo senhor Pároco de Colares, Padre José António Rebelo,

Caros músicos e associados, Exmos senhores e senhoras

É com muita honra que os recebemos neste dia tão importante para a nossa coletividade: a inauguração da nova sede. Num ano em que comemoramos o 125º aniversário, não podíamos desejar melhor prenda.

Eu tenho orgulho nesta sede, Não só porque foi a minha escola primária, mas também porque esta coletividade que tanto prezo e à qual tenho o prazer de pertencer lhe dará um uso nobre, de interesse para a comunidade, dando assim vida a um edifício que estava fechado e triste.

Por este edifício passaram milhares de crianças, que aqui iniciaram a sua educação. A Banda de Colares propõe dar uma continuidade a essa educação, agora musical e não só para crianças, mas também para adultos.

 

Exmo. Senhor Presidente da República, é uma honra para os colarejos contar com a sua presença nesta inauguração e nesta vila, que comemorou este ano 500 anos da atribuição do Foral.

Esta freguesia está no meio da serra, é constituída por encostas que diariamente recebem geadas e maresia; e mesmo assim conseguiu ser a grande produtora de frutas e legumes para toda a Lisboa durante séculos.

O mar desta freguesia é o pináculo da frescura atlântica. A bandeira verde é pouco vista e o nevoeiro visita-nos muitos dias no Verão. Ainda assim, Colares atrai centenas de famílias que há muitos anos aqui vêm passar as suas férias.

O vinho de Colares é um milagre. Produzir vinho nesta zona é uma heroica teimosia dos nossos viticultores que dura desde que D. Afonso III trouxe a casta Ramisco de França. (1)

A nossa coletividade foi criada em 1891. Foi criada no seio dos Bombeiros Voluntários de Colares. Como em muitos outros casos, houve uma separação porque a missão da proteção civil e a missão da cultura têm ritmos diferentes e necessidades diferentes. Os nossos antepassados decidiram manter o nome de BBVC e os atuais sócios também. É também a nossa forma de reconhecimento à importância desta instituição.

Esta Banda tocou ao longo dos séculos em dezenas de festas e deu concertos um pouco por todo o país. Entre tantas exibições, não se apagam da nossa memória as festas do Minho, principalmente a Nossa Senhora da Agonia, em Viana do Castelo.

Esta coletividade teve no passado um grupo de teatro e várias orquestras, que eram organizadas por músicos da Banda, de forma a executar outros tipos de música que abrilhantavam bailes e festas.

Eu tenho esperança que daqui a 75 anos, aqui sejam largados 200 balões. O compromisso da Banda para o futuro é continuar a proporcionar educação musical, e adaptar a Banda aos tempos modernos. Temos assistido à metamorfose do Fado em Portugal. No Mundo, André Rieu tem vindo a mudar a forma como se ouve música clássica. A nossa missão é cativar as pessoas para gostar de música e adaptar o que for preciso para esse objetivo.

 É tamanha honra para a nossa coletividade ter sido Sua Excelência a inaugurar oficialmente a nossa sede.

 

Exmo Dr. Basílio Horta,

é com um sentimento de gratidão que encaramos o facto da Câmara Municipal de Sintra nos ter cedido a instalações da antiga Escola Primária de Colares para funcionamento da nossa sede e Escola de música.

Muito obrigado por todos os apoios que nos tem cedido, nomeadamente materiais para a obra que efetuamos, por nos ouvir e por se ter juntado a nós nesta celebração também. Com sua autorização, o nosso agradecimento a toda a equipa da Câmara Municipal de Sintra liderado por Vossa Excelência e com o apoio incansável também do Vice-Presidente, Rui Pereira.

 

Exmos. Associados e amigos,

Nós temos agora as ferramentas e as condições ideais para o ensino da música. A música é uma das mais importantes formas de arte, apenas igualada pela literatura. A música é considerada por muitos a primeira parte.

É fácil encontrar estudos académicos que provam que os alunos com conhecimento de música têm melhor desempenho na escola e universidade.

É por isso que aqui estamos. É pela importância da música no equilíbrio da vida que a Banda de Colares disponibiliza o seu ensino. Venham aprender música independentemente da idade e permitam que os vossos filhos a aprendam.

Não podia concluir, sem agradecer, em nome da direção e dos músicos, a todos os que aqui trabalharam, principalmente os que tantos dias o fizeram de forma gratuita.

Agradeço também aos músicos que se disponibilizam, e que sem qualquer contrapartida financeira constituem esta Banda. Este espírito de voluntariado permitiu que o Fundo Patrimonial da Banda constituído por quotas, donativos e apoios da Câmara tenha sido poupado ano após ano e assim foi possível fazer as reparações necessárias para esta obra que hoje inauguramos.

Quero terminar, agradecendo uma vez mais a Sua Excelência, o Presidente da Republica.

Faço-o, citando uma poetisa que conheci através de Sua Excelência; e que cabe neste contexto por ter sido uma das melhores professoras primárias e pedagogas deste país. Como escreveu Irene Lisboa,    Quem não sai de sua casa, não atravessa montes nem vales, não vê eiras nem mulheres de infusa, nem homens de mangual em riste, suados…,(2)

Sr. Presidente, obrigado por sair de sua casa e conhecer o seu país e as pessoas do seu país com os próprios olhos. Obrigado por visitar a Banda de Colares.

 

21 de dezembro de 2016

 

(1) O Conceito do vinho de Colares ser um milagre e de ser uma heroica teimosia não foi meu. Foi inspiração de Miguel Esteves Cardoso, citando Pedro Falcão e Pedro Garcias.

(2) Irene Lisboa, Pequenos Poemas Mentais, In Revista de Portugal

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:40

Esta cara não me é estranha

por Nuno Saraiva, em 16.12.16

Screenshot_2016-12-16-21-06-04.png

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08

125.º Aniversário da Banda de Colares

por Nuno Saraiva, em 27.10.16

bbvc125v2.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34

X Mercado de 2ª Mão de Almoçageme

por Nuno Saraiva, em 19.09.16

Colares saldos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:32

Interessante artigo na revista sábado (publicado agora online)

É um exercício muito comum, sobretudo entre o sexo masculino: olhar para uma mulher e imaginá-la sem roupa. Alexandre Sequeira Alves, 51 anos, faz muitas vezes o oposto: depois de ver a mesma mulher nua dias a fio, imagina como será vestida. Estranho? Nem por isso. É comum passar horas, semanas, a pintar modelos nus.

O português, que reclama ser o primeiro surfista da Praia Grande, formado em Marketing e Publicidade, ex-dono de bares e dj da extinta discoteca Maria Bolachas, um ícone dos anos 80 na zona de Sintra, frequenta uma das mais reputadas escolas de pintura clássica da actualidade: o Grand Central Atelier, fundado e dirigido pelo "mestre", como ele lhe chama, Jacob Collins, citado recentemente com pompa e circunstância pela revista New Yorker (ver caixa).
Sim, ainda há gente que quer pintar aquilo que vê com rigor, sim, desenhar à vista e reproduzir na perfeição uma figura humana requer muito estudo, técnica, paciência. E dinheiro. Por isso, Alexandre só foi atrás desta vocação aos 44 anos, depois de vender os seus bares e os negócios do pai na área farmacêutica.

 



Aos 15 "já tinha noção" do que queria fazer – "pintar e desenhar o que via" – , mas o pai, que até apreciava arte e o levou a Paris para conhecer o Louvre de uma ponta à outra, não queria ouvir falar de um filho pintor. "Fiz uns testes psicotécnicos a pedido da minha mãe e isso ainda deixou o meu pai mais furioso… deram todos trabalhos com mãos!" Acabou a estudar Biologia para continuar "o reinado" da família, mas "odiava".

Com a morte do pai, aos 17 anos, ficou ainda mais confuso. Entrou no curso de Marketing e Publicidade do IADE e esqueceu os desenhos. Nessa altura, também quis deixar Lisboa e voltar às suas "raízes", a casa dos avós maternos, na Praia Grande, onde viveu os primeiros três anos de vida, enquanto os pais trabalhavam e moravam em Lisboa.
Foi nesse local de mar agreste, terra do seu avó, a quem ainda ouve chamar "o Eusébio da pesca", que se apaixonou por um desporto que ainda não era desporto, por causa de um velho anúncio a um aftershave. "Praticamente nasci dentro de água, e aprendi sozinho a fazer surf. Sempre fiz carreirinhas, mas aos 12 anos vi um anúncio do Old Spice e decidi que era aquilo." A primeira prancha, de esferovite, trouxe-a a mãe de França. Depois passou a comprá-las, bem como aos fatos, "a bifes [estrangeiros] que iam surfar para a Ericeira e para Carcavelos".

Um português em Queens
Na praia, surgiu a oportunidade de gerir um bar. Depois outro, em Lisboa, o Kaisers. Ainda trabalhou alguns Invernos como dj da discoteca Maria Bolachas, até que aos 44 anos decidiu deixar tudo e ir atrás da velha paixão: o desenho.

 

(Ler o artigo completo aqui)

 

Admirador de Rembrandt, Van Gogh, e dos portugueses Silva Porto, Malhoa e Roque Gameiro, diz que fora da pintura clássica – de que destaca Jacob Collins – aprecia algumas obras de Ritcher, Freud, Sargent e Sorola. E planos? "Gostava de montar um estúdio aqui na zona [da Praia Grande] e pintar, pintar até morrer."

Eu era dos que ia embora cedo, a seguir a esta música

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:40

Colares - Região linda e fertilissima

por Nuno Saraiva, em 06.09.16

Hoje anda por aí tudo a alugar quartos e casas a turistas, via Airbnb, Homeaway e similares.

Neste guia antigo podemos ler:

Colares é uma aprazível estância de repouso, onde no verão se reunem muitas familias, ocupando diversas casas que se alugam.

Havia um restaurante em Colares (Camarão) e um na Várzea (Bernardino Pinheiro)

Guia-Sintra.jpgGuia-Sintra-Colares.jpgGuia-Sintra-Colares-Penedo.jpg

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:00

Procissão Nossa Senhora da Praia 2016

por Nuno Saraiva, em 05.09.16

No dia 28 de agosto realizou-se mais uma vez a Procissão da Nossa Senhora da Praia.

É com orgulho que a freguesia de Colares recebe a manifestação religiosa mais participada do Concelho de Sintra.

14138058_1726958400900323_7219340543254745609_o.jp

Há quase duas décadas que a Banda dos Bombeiros Voluntários de Colares acompanha a Procissão.

 

14115481_1726958214233675_4092611793015892576_o.jp

A procissão tem contado todos os anos com a presença de Marco Almeida, Vereador da Câmara Municipal de Sintra e fundador do Sintrenses com Marco Almeida, uma associação em defesa do Concelho de Sintra.

14138098_1726957007567129_8468611332567768687_o.jp

Também o Presidente da Câmara Municipal de Sintra marcou presença na procissão, bem como desde há largos anos o Presidente da Junta de Freguesia de Colares, Rui Franco dos Santos.

14188466_1726956630900500_3604470817101362024_o.jp

Na imagem o Pároco da Freguesia, o Padre José António.

14188099_1726955337567296_1800362031743078750_o.jp

14063831_1726953204234176_4847891239980187709_n.jp

14067467_1726952980900865_7607757718330444861_n.jp

14086277_1726951260901037_5810497952875383348_o.jp

14068120_1726951004234396_9085991886424392554_n.jp

Este a ano a imagem da Padroeira da Igreja Matriz em Colares, Nossa Senhora da Assunção,  acompanhou a procissão. Esperemos que seja para continuar porque a procissão merece.

14088642_1726950830901080_6294053764880182560_n.jp

Nossa Senhora dos Surfistas, sempre carregade pelos surfistas da Praia das Maçãs e um dos andores que obrigatoriamente vai à água.

14124903_1726950824234414_7660737434461668149_o.jp

14102789_1726950694234427_122048498640031009_o.jpg

14067438_1726950477567782_6728129062211254678_n.jp

14086362_1726949977567832_4003956363884931823_o.jp

 

 

14115043_1726956730900490_3122019260274501316_o.jp

14107889_1726955380900625_1648854005914930974_o.jp

 19865631_7nnSN.jpeg

A ida à agua e o avião a largar pétalas são momentos sempre emocionantes.

 

Fotos publicadas na página de Facebook Santa Eufémia da Serra, exceto a última, de autoria de Pedro Macieira do blog Rio das Maçãs

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30

Sintra Pro 2016 - Bodyboard

por Nuno Saraiva, em 05.09.16

 

Agora a etapa do campeonato do mundo de Body Board é mais tarde. Esperemos que a Praia Grande esteja no seu melhor.

unnamed.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:56

Os encantos da Praia das Maçãs e do Eléctrico

por Nuno Saraiva, em 01.08.16

No blog que lançou recentemente Diogo Amaral sugere um excelente programa de Domingo. Passeio de eléctrico, almoço na Praia das Maçãs e regresso a Sintra de eléctrico.

Destaque-c-Logo-800x450.jpg

 

Gosto de aproveitar os domingos, especialmente os de sol. E aproveitar para mim não passa por caçar Pokemons. Domingo passado peguei no Mateus e na Vera e fomos almoçar à Praia das Maçãs. Não como carne como sabes, mas um bom almoço de marisco e peixe é irresistível, e nada melhor do que um restaurante junto à praia para isso. Numa altura em que ando a gravar seis dias por semana, um bom programa de Domingo é essencial.
Durante alguns anos passei as férias de verão na Praia das Maçãs. Na altura o eléctrico que faz a ligação de Sintra até às Maçãs estava desactivado. Desde essa altura que tinha vontade de fazer essa viagem. Domingo foi o dia.
Estava um dia de verão incrível – 32º de máxima para ser mais preciso. Depois do almoço lá fomos nós, quase os únicos portugueses no eléctrico.
 
 

Praia-das-Maçãs-8-Logo-800x586.jpg

Praia-das-Maçãs-4-Logo-800x600.jpg

 Post completo no Breakingdad

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51


Mais sobre mim

foto do autor








Comunique e envie os seus comentários, o que gostou, o que acha que está mal, etc.


Colares, blog da semana!

Muzicons.com





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

subscrever feeds